terça-feira, 10 de maio de 2011

Projeto de lei aumenta de 800 para 960 horas anuais a carga horária para ensinos infantil, fundamental e médio


Com a carga horária de 800 horas já é difícil para o professor desenvolver seu trabalho, imagine ampliar sem oferecer melhores condições. É mais um projeto para sobrecarregar os professores e esconder que o principal problema é a falta de prioridade dos governos para com a educação.


http://2.bp.blogspot.com/_DnFXJdKDLKU/TBh6CQjuu2I/AAAAAAAAALM/f4TS28-rUKQ/s1600/2.jpg
 Imagem Internet


Veja a matéria abaixo:


Senado aprova carga horária maior para ensinos infantil, fundamental e médio

03/05/2011

As 960 horas de carga horária mínima serão distribuídas em 200 dias letivos

A Comissão de Educação do Senado aprovou, nesta terça-feira, projeto de lei que aumenta de 800 para 960 horas anuais a carga horária mínima para os ensinos infantil, fundamental e médio. Como foi aprovado em caráter terminativo, a matéria segue, agora, à apreciação da Câmara dos Deputados.

Essas 960 horas, pelo projeto, serão distribuídas pelo período de 200 dias do ano letivo, excluindo os dias destinados aos exames finais, quando houver. Emenda incluída pelo relator do projeto, deputado Cyro Miranda (PSDB-GO), determinou que as mudanças no calendário escolar só entrarão em vigor dois anos após a publicação da lei no Diário Oficial da União. Ou seja, se a lei for aprovada pelo Senado e sancionada pela presidenta Dilma Rousseff ainda este ano, a nova carga horária só entraria em vigor em 1º de janeiro de 2013.

Também foi aprovado pela comissão, em caráter terminativo, o projeto de lei que aumenta de 75% para 80% a frequência mínima para a aprovação de estudantes no ensino fundamental. A proposta esclarece que, no caso de afastamento do estudante da sala de aula por motivo de saúde, o atestado médico apresentado garantirá o direito de fazer provas em segunda chamada, "mas não abona as faltas que lhe foram imputadas". 

AGÊNCIA BRASIL

Um comentário:

Anônimo disse...

O Estado brasileiro é absurdo, alienado e corrupto. A realidade do ensino público brasileiro é pior do que o pior de todos os pesadelos possíveis. A obrigatoriedade do ensino é uma anomalia jurídica que condena os 5% de alunos que querem alguma coisa a conviverem com os 95% que nada esperam da escola. Aumentar essa carga horária comprova a ignorância e irresponsabilidade do Legislativo sobre a realidade brasileira. Claro, eles estão mais preocupados em nos roubar do que se inteirar da situação de qualquer setor de sua alçada.